Uma senha sera enviada para seu e-mail

Ambientado num mundo “pós-pós-apócaliptico” rico e repleto de mistério, tecnologia e magia, Seven: The Days Long Gone reúne vários elementos de outras franquias na tentativa de criar algo novo. Apesar da linda direção de arte e um mundo interessante e cheio de história, a soma das partes deixa a desejar.

Seven e suas partes

Seven: The Days Long Gone, desenvolvido pela Fool’s Theory e distribuído pela IMGN.PRO, se apresenta numa premissa interessante: uma mistura de Diablo, Assassin’s Creed, Dishonored, Deus Ex e basicamente todos os grandes elementos das grandes franquias de stealth. À primeira vista, parece uma ideia bastante interessante, e de fato é.

gameplay seven 2

Logo nas primeiras horas, o jogador é colocado num prólogo tutorial em que as principais mecânicas do jogo são introduzidas, com variados graus de sucesso. Não parece haver uma consistência nas explicações, mas nada que um pouco de experimentação não resolva. O jogador é colocado num cenário de roubo numa mansão e parece uma grande homenagem a Shadow Moses Island do primeiro Metal Gear. Até aí, tive um genuíno interesse no mundo do jogo e seus habitantes, graças ao incrível trabalho de ambientação e diálogos.

O personagem principal, Teriel, é controlado num esquema de RPG isométrico 3D, como na série Diablo, e o jogo consiste essencialmente de combate de RPG de ação misturado com elementos do gênero stealth. É possível usar uma combinação de habilidades e equipamentos que ajudam a distrair inimigos e progredir pelos incríveis e detalhados cenários.

B.A. – Burrice Articifial

Logo no começo a primeira grande falha aparece: a inteligência artificial do jogo é péssima. Num jogo tão dependente de combate e stealth, uma IA ruim é capaz de quebrar a imersão do jogo, e é basicamente isso que acontece aqui. Inimigos tem um campo de visão muito curto, e não reagem a mudanças do ambiente e a ferimentos de colegas, como em Metal Gear ou Dishonored, o que trivializa o gameplay stealth. Apesar disso, Seven introduz um elemento muito interessante de aceleração de tempo, que exclui a necessidade de se perder tempo esperando inimigos terminarem suas rotas.

seven gameplay

Isto, na verdade, é um tema prevalente durante meu tempo com Seven: ótimas ideias sufocadas por escolhas de gameplay duvidosas e amadoras. A interface, que às vezes é muito bagunçada e desnecessariamente complicada, também não colabora para essa sensação.

“Mad Max” Neon

Após o prólogo, Teriel é jogado na ilha-prisão de Peh, onde o resto do jogo acontece. Aqui, você encontrará locações e NPCs típicos de RPG, como mercados, ferreiros, comerciantes e muitas sidequests. É aqui onde o mundo detalhado e rico do jogo brilha, e é sem dúvida nenhuma seu ponto mais forte. Impossível não falar também da direção de arte, que mistura elementos cel-shade com bordas grossas de HQ e um toque neon futurista pós-apocalíptico. A trilha sonora também confere uma ambiência imersiva ao jogo e faz o seu papel.

in game seven

Entretanto, logo quando o jogo engata a marcha e começa “de verdade”, a maior contradição vem à tona: o jogo torna-se mais um RPG de ação e em sua maior parte ignora o gameplay de stealth, que em si já é trivializado pela IA ruim. Vale notar também a confusão que certos cenários causam pelo mapa mal explicado e glitchs gráficos da engine.

Conclusão

Seven: The Days Long Gone é um jogo que tenta juntar muitos elementos de muitos lugares ao mesmo tempo, e isso é aparente. As poucas e incríveis escolhas de gameplay e a ótima direção de arte só tornam a experiência mais frustrante no meio de tantos elementos inconstantes e medianos. Se você curte um mundo de RPG aberto, bem construído e com um lore rico e interessante, não pense duas vezes. Mas tenha em mente que chegar até o final não será uma tarefa fácil.

Cópia para análise fornecida pelo desenvolvedor.

Seven: The Days Long Gone (PC)
Direção de arte interessanteBoas tentativas de refrescar o gênero stealthMundo e "lore" expansivos e interessantes
Mapa e menus complicados e confusosIA burraFalta de direção e foco na parte stealthApresentação inconsistente
6.8Close errado
Votação do leitor 0 Votos
0.0